3 de janeiro de 2016

3

O circo!

    Primeiro sábado do ano, mamãe, papai e filhinho atravessam a cidade para visitar o circo.
Papai havia comprado um voucher nesses sites de compra coletiva e o passeio que custaria 60 reais, por pessoa, custou 10. Papai extremamente feliz pela relativa economia. 
    Mamãe também está feliz, achou fofo o papai ter planejado um passeio em família sem que fosse uma sugestão dela.  No caminho, mamãe admira o papai pela iniciativa e sente vontade de enchê-lo de beijos e abraços. Muito amor !
    O percurso é  permeado por uma expectativa de estréia, afinal seria a primeira vez do filhinho no circo. Será que ele vai gostar? Será que vai ter medo dos palhaços? Será que vai ficar a vontade? 
No pensamento da mamãe uma preocupação predomina: Haverá rampas? Lugares para acomodar a cadeirinha de rodas? As pessoas serão gentis? 
   O papai, aparentemente não está preocupado, apenas empolgado com o passeio e nota a satisfação da mamãe por sua atitude."Dei uma dentro", ele pensa.

    A família chega ao circo, o carro é recepcionado por um homem responsável por receber o valor do estacionamento. Papai pergunta ao homem o melhor lugar para estacionar, tendo em vista o filho e sua cadeirinha de rodas. Papai, mais animado que o natural, revelando uma leve ansiedade, segue em direção ao local orientado próximo a rampa de entrada da lona. Rampa? Isso mesmo. Mamãe sente um alívio ao ouvir essa palavra. Um obstáculo a menos! 
    Na entrada, filhinho observa curioso o grande castelo de lona com luzes brilhantes a sua frente. Tudo que papai vê são carros, muitos carros e nenhuma vaga.
    De dentro do carro papai conversa com outro homem, este, muito simpático e atencioso,  encontra uma vaga para nós, re-estacionando seu próprio carro abrindo um espaço.
    Enquanto papai conclui o estacionamento, mamãe e filhinho sobem a rampa  indicada pelo segundo homem. Encontram um lugar de espera, onde haviam barracas de guloseimas  e alguns acentos, em sua maioria, ocupados. Um rapaz  chama a mãe e sede gentilmente seu lugar. Ela se senta. Os olhares dos demais visitantes se voltam para eles. Olhares curiosos, simpáticos e de admiração. Mamãe conhece bem esses olhares e não se incomoda com eles.
    Papai chega, com a empolgação de uma criança vai comprar pipoca, espetinho de fruta, coca cola ,  guaraná   e algodão doce .  Filho está feliz, indica que quer o algodão doce. Mas não come, estranhando a textura. Mamãe e papai se lambuzam com o doce sem a ajuda do filho.

     De repente um palhaço é avistado pelo filhinho, o primeiro que ele vê depois do Patati e Patatá. A cara de choro é inevitável.   Mamãe percebe e diz, "não precisa ter medo , é o palhaço, ele é legal. Vai ter uma monte deles lá dentro, a mamãe e o papai estão aqui com você não precisa ter medo de nada". Ele sorri. Mamãe sente o mesmo alívio de quando ouviu a palavra "rampa" minutos antes.

     Finalmente chega o horário do espetáculo e a família entra no picadeiro. Uma moça indica o local onde  devem se acomodar. A princípio pensam em manter o filhinho na cadeira, mas mamãe se lembrou da carinha dele ao ver o palhaço e lança a ideia de assistir ao show com a cria nos braços. Papai gostou da ideia. 
Antes de começar, pausa para fotos. ao fundo o barulho da vendedora de batata fritas e de brinquedinhos ordinários ( pistola de bolinha de sabão, bastões fluorescentes) . Filhinho pira com as bolinhas de sabão. De repente as luzes se apagam, ouve-se orientações sobre o uso do celular e outras coisas. Mamãe guarda o celular contrariada, mas ansiosa.
     
     Um malabarista, uma mágica, alguns palhaços, dançarinas, equilibristas, um globo da morte, o king kong ,  uma moça pendurada pelos cabelos, mais palhaços!
 Filhinho sério, mas atento. E quando um palhaço aparecia ele sorria, gargalhava, fazendo festa e apontando...  No meio de tanta euforia o olhar dele se cruza com o da mamãe e ela sabe o que ele quer dizer :" Eles são realmente legais mamãe, mas se eu me assustar, sei que você está bem aí"...

    Mamãe sente um orgulho danado do papai por proporcionar  um passeio tão simples e maravilhoso e do filhinho por curtir como qualquer outra criança serelepe, o entretenimento juvenil .

     Por fim a família vai embora , satisfeita,  entuchada de guloseimas e  uma pistola de bolhas de sabão em mãos. Despedem-se do primeiro homem e do segundo que agradecem a presença da família. "Puxa, muitos simpáticos e receptivos", comenta a mãe. Papai sorri. " Você viu? O palhaço veio falar com a gente". Mamãe não viu, pois tinha ido comprar água. Mas, pelo que parece, o palhaço celebrara a nossa vinda, admirando nossa família. 
    E no caminho de volta, mamãe olha o papai e diz, "obrigada pelo dia de hoje", papai responde com um logo suspiro e a seguinte afirmação: "Nossa vida é muito boa". Mamãe reitera, " realmente é muito boa". 'Eu te amo", declara papai. "Eu também te amo" corresponde a mamãe.

Fim.






 

3 comentários:

  1. Nossa Aline... Meu coração se encheu de alegria e meus olhos de lágrimas imaginando estar com vocês nesse dia tão especial! Que Deus continue abençoando muito vocês! Um feliz 2016! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Nossa Aline... Meu coração se encheu de alegria e meus olhos de lágrimas imaginando estar com vocês nesse dia tão especial! Que Deus continue abençoando muito vocês! Um feliz 2016! Bjs

    ResponderExcluir
  3. ai que delícia de passeio! Amei seu relato, tudo tim tim pot tim tim. Que bom que o papai programou isso!! Nos sentimos sobrecarregadas com tdo né?

    bjo!

    ResponderExcluir

JÁ GASTOU UM TEMPINHO LENDO. NÃO CUSTA NADA DAR UMA COMENTADINHA NÉ!!!!